27 de maio de 2013

Harlan Ellison (1934 - )

A ficção científica - ou ficção especulativa, designação preferida pelo próprio - terá conhecido poucos autores tão polémicos como o norte-americano Harlan Ellison. O epíteto, atribuído com alguma frequência, de enfant terrible do género tem razão de ser -  o temperamento irascível de Ellison é célebre, e a sua carreira foi sempre pautada pela polémica (e pelos processos em tribunal), ao ponto de quase ofuscar a sua ficção. Mas aqui o "quase" é relevante, pois o legado (se é que podemos falar de legado com o autor ainda vivo) de Ellison na ficção especulativa é a todos os níveis excepcional, abrangendo literatura, televisão, cinema e mesmo videojogos.

Na literatura, Ellison notabilizou-se sobretudo na ficção curta - com alguns trabalhos notáveis como "Repent, Harlequin!", Said the Ticktockman (1965), "I Have No Mouth, and I Must Scream (1967), The Prowler in the City at the Edge of the World (1967) ou A Boy and His Dog (1969), The Beast That Shouted Love at the Heart of the World (1969) e The Deathbird (1974), entre muitos outros. Também se notabilizou como editor de antologias: e com Dangerous Visions, de 1967, viria a revolucionar o género tanto em termos conceptuais como em aspectos formais, abrindo as portas ao movimento "New Wave" nos Estados Unidos. Em 1972, o conceito foi recriado em Again, Dangerous Visions - e uma terceira antologia, intitulada The Last Dangerous Visions, será provavelmente o livro não publicado mais famoso da ficção especulativa.

Em televisão, Harlan Ellison escreveu guiões para séries de vários géneros. Na ficção científica, escreveu para The Outer Limits e  Star Trek - e para esta escreveu o guião de um dos seus episódios mais aclamados, The City on the Edge of Forever (1967). No cinema, colaborou na adaptação da sua novela A Boy and His Dog para um filme realizado por L.Q. Jones em 1975; e também colaborou na adaptação do célebre conto I Have No Mouth, and I Must Scream para um videojogo produzido pela Cyberdreams em 1995. 

Na sua longa carreira de ficção, venceu oito Hugo Awards, quatro Nébula Awards, cinco Bram Stoker Awards e dois World Fantasy Awards.

A sua escrita, porém, não se distinguiu apenas na ficção (de género e não só); Ellison também se distinguiu como ensaísta e crítico literário, de cinema e de televisão. Nascido em 1934 em Cleveland, Ohio, Harlan Jay Ellison celebra hoje o seu 79º aniversário.

2 comentários:

Nuno Vargas disse...

Reconheço o nome do autor mas curiosamente não sei de onde. Pelo que me lembro, ainda não li obras dele. Algum bom ponto por onde começar?

João Campos disse...

Ellison tem muita coisa um tanto ou quanto dispersa. Pessoalmente, recomendaria dois contos: "Repent, Harlequin!" Said the Ticktockman e I Have No Mouth, and I must Scream. São excepcionais.